05/01/2022 às 11h52min - Atualizada em 05/01/2022 às 11h52min

Preço do café é o maior em 25 anos

Café mais caro

 

Um produto básico para milhões de brasileiros atingiu o maior preço dos últimos 25 anos.
 

Pode ser puro; adoçado; com leite. Não importa a forma como você escolhe tomar o café. Na hora de pagar, “fica bem amargo”, diz uma consumidora.


“Está caro, está bem caro. Realmente eu senti bastante diferença no preço. Eu sou assíduo, tomo bastante café, e que está bem caro está”, afirma o empresário Emerson Martins.


De um mês para o outro, o café moído aumentou 7% nas prateleiras do supermercado e, em um ano, 42%. E isso é uma média nacional. 



O Brasil é o maior produtor do mundo de café, mas vende no mercado interno a preço de exportação. Isso porque a saca do grão é cotada a partir do preço base na Bolsa de Valores de Nova York, que tem influência do dólar.


Em dezembro de 2020, era quase R$ 600. Agora, está em torno de R$ 800 mais cara. O clima também pesou no preço do café do brasileiro.


“2021 foi marcado pela escassez de chuva, um período de seca muito duro e prolongado. Isso prejudicou a produtividade dos cafezais, principalmente na região de Minas. No centro-sul, em julho, passamos por uma sequência de três geadas. Isso prejudicou ainda mais a produção de café. Resultado disso: olhando apenas pelo lado da oferta, chegou ao mercado um volume de café menor do que a gente estava imaginando, e olha que esse ano já seria mais fraco”, explica Felippe Serigati, economista da FGV Agro.


“E, a partir de março, quando tivermos mais esclarecido quanto vai ser a safra, o preço deve se estabilizar”, diz Celírio Inácio, diretor da Associação Brasileira da Indústria de Café.


 


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »