05/10/2021 às 14h09min - Atualizada em 05/10/2021 às 14h09min

Inocentado casal acusado de matar filho de 5 anos em Dores do Rio Preto

Os dois ficaram presos pelo período de dois anos e seis meses, até o fim do julgamento.

Chegou ao fim, e com reviravolta, o julgamento do casal, Adeildo Souza da Silva e Luane Monique de Moura Silva, acusados de homicídio qualificado e tortura do filho Arthur Moura da Silva, de 5 anos, no município de Dores do Rio Preto, em 2018. Dois anos e meio após serem detidos, o casal foi a júri popular e, por unanimidade, foram absolvidos do crime. Os dois ficaram presos pelo período de dois anos e seis meses, até ultimação dos Autos para o Plenário do Júri.

Na ocasião, a morte do menino Arthur teve ampla repercussão na região. O pai da criança, chegou a confessar que havia agredido o filho. Contudo, a tese da defesa desde a apresentação do exame cadavérico e dos exames complementares foi de inexistência de crime de homicídio e de tortura, pois neste laudo fora constatado que não houve lesão por agressão, sendo as equimoses (hematomas) apresentadas eram subcutâneas devido à plaquetopenia, ou seja, queda de plaquetas da criança que estavam muito baixas devido a uma infecção grave (meningite purulenta), sendo o óbito por morte natural, inexistindo tortura e agressões, ou seja, decorrente de doença patológica.


"Os pais sequer puderam sepultar o filho. Enfim, com as bênçãos de Deus e a proteção de São Miguel Arcanjo os jurados sorteados e todos os envolvidos realizaram a verdadeira justiça", declaram os advogados de defesa, André Chambella Silva Lopes e Roberto Figueiredo Boechat, ao jornal FATO.


 
Este foi o último julgamento da comarca de Dores do Rio Preto, antes de ser integrada à comarca de Guaçuí.

 

Fonte:DANIELLE MURUCI- Jornal Fato

 
 
 
 
 

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »