12/08/2021 às 12h12min - Atualizada em 12/08/2021 às 12h12min

Esquema de desvio de recursos da Previdência de Caparaó gera denúncia do MPMG

Previcap

Imagem Ilustrativa

O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) ingressou com Ação Civil Pública (ACP) por improbidade administrativa e danos morais coletivos e também com uma denúncia criminal por peculato pelo desvio de recursos do Instituto de Previdência dos Servidores do Poder Executivo e Legislativo de Caparaó/MG (Previcap).


Os réus são o ex-presidente da Previcap, um funcionário de uma empresa de contabilidade e sua esposa e três empresas que teriam se beneficiado do esquema.

As apurações iniciais apontam um prejuízo de R$ 643 mil entre fevereiro de 2020 e fevereiro de 2021, mas o MPMG, por meio do Promotor de Justiça de Espera Feliz Vinicius Bigonha, pede também a quebra dos sigilos telefônico e bancário dos investigados de janeiro de 2013 a junho de 2021, período em que um dos investigados esteve à frente da Previcap, para totalizar as perdas.


O Inquérito Civil nº 0242.21.000059-0, que deu origam à ACP, apurou que os desvios eram realizados por funcionário de uma empresa de contabilidade que assessorava o então diretor presidente da Previcap.

Os valores eram transferidos para uma conta na Caixa Econômica Federal e, posteriormente, repassados às contas individuais dos investigados. A fraude foi detectada pela atual diretora presidente e por uma funcionária pública cedida ao instituto municipal de previdência.


As duas identificaram os desvios por meio de extratos bancários e notificaram a Promotoria de Justiça.

Na ACP, o MPMG pede a perda dos bens ou valores acrescidos ilicitamente ao patrimônio e ressarcimento integral do dano. Além disso, como os recursos desviados deveriam ser usados para o pagamento da aposentadoria dos servidores municipais de Caparaó, o Ministério Público estipula a quantia de R$ 1.000.000,00 a título de danos morais coletivos.


O ex-dirigente da Previcap e o funcionário da empresa de contabilidade foram denunciados também pelo crime de peculato, passível de prisão. Cautelarmente, houve pedido de comparecimento mensal em juízo para justificar suas atividades e proibição de ausentarem-se da comarca.


Na denúncia, a Promotoria de Justiça requer também a proibição do acesso dos dois ao interior do Previcap e a manutenção de contato com os servidores do instituto, entre si e com familiares do outro, por qualquer meio de comunicação.


Autos nº 5000595-92.2021.8.13.0242 PIC nº 0242.21.000058-2 Ministério Público de Minas Gerais


Fonte: MPMG

Assessoria de Comunicação Integrada Centro de Jornalismo

Twitter: @MPMG_Oficial

Facebook: www.facebook.com/MPMG.oficial

Instagram: www.instagram.com/MPMG.oficial

E-mail: jornalismo@mpmg.mp.br


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »