25/03/2021 às 11h55min - Atualizada em 25/03/2021 às 11h55min

Carangolense é membro da equipe que desenvolveu dois testes rápidos para detecção da Covid-19

Teste rápido e de baixo custo

As pesquisas foram realizadas no Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular.


A UFV será uma das primeiras instituições brasileiras a desenvolver testes sorológicos para detecção de covid-19 com tecnologia própria. E o que é melhor: com custo até cem vezes menor que as testagens que utilizam kits importados. Dois projetos já estão prontos.


O primeiro, que usa uma técnica já conhecida, será utilizado para um inquérito epidemiológico do município de Viçosa. O outro é um novo teste para detecção rápida de anticorpos contra o vírus que dá resultados seguros em até dez minutos. As tecnologias foram desenvolvidas pela equipe do professor Tiago Antônio de Oliveira Mendes, do Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular. Ele explica que o primeiro teste desenvolvido na UFV utiliza a proteína N do coronavírus, a mesma usada em outros testes comerciais. “Por meio de engenharia genética nós conseguimos fazer com que uma bactéria produza esta proteína em larga escala no próprio laboratório da Universidade”.



Enquanto um kit importado vale cerca de R$200,00, o custo dos testes desenvolvidos será em torno de apenas R$2,00. A tecnologia foi desenvolvida com recursos da Universidade, através da Chamada de Apoio a Ações de Combate à Pandemia Causada pelo Novo Coronavírus, lançada em 27 de abril, e também com apoio do CNPq.


Com o baixo custo e a independência tecnológica, a Administração da UFV está planejando utilizar esta tecnologia para realizar um inquérito epidemiológico do coronavírus em Viçosa, em colaboração com professores dos Departamentos de Microbiologia, Fitopatologia e Medicina e Enfermagem.


A ideia é coletar amostras de sangue de parte da população para verificar a porcentagem de pessoas que já foram infectadas e já apresentam anticorpos. Para Tiago Mendes, o inquérito é fundamental para acompanhar a evolução do vírus e embasar medidas de biossegurança mais efetivas. Os laboratórios da UFV têm capacidade de analisar mais de 300 amostras de sangue por dia para realização deste inquérito.


A segunda tecnologia desenvolvida pela UFV é inédita e bastante sofisticada. Os pesquisadores desenvolveram um antígeno para testes de detecção do SARS-CoV-2 baseado em uma proteína quimérica, ou seja, que não existe na natureza e foi totalmente desenvolvida por meio de bioinformática.


Eles selecionaram pedaços de proteínas diferentes do coronavírus, eliminando, inclusive, partes que são parecidas com outros vírus que também causam doenças respiratórias, como a gripe, e que poderiam confundir o diagnóstico de covid-19, como acontece em testes que utilizam uma única proteína. O novo antígeno também é capaz de detectar o sinal da presença de anticorpos com maior precisão. Eles também selecionaram peptídeos que reagem mais rapidamente às infecções. Com isso, será possível usar este teste sorológico já a partir do sétimo dia de sintomas, acompanhando a quantidade de anticorpos produzidos.


Nos testes comerciais a detecção só se dá a partir do 14º dia. A acurácia, ou seja, a exatidão performance diagnóstica dos testes é de 97% e foi validada em análises de amostras de sangue de pacientes de Viçosa, Belo Horizonte e Salvador. Por ser inédita, a  produção da proteína quimérica está em fase de transferência de tecnologia para uma empresa que cuidará do registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e ficará responsável pela produção do antígeno e pela comercialização dos testes rápidos.


A patente será dividida entre a UFV e a empresa em regime de cotitularidade.



Conheça os membros da equipe do projeto:

Tiago Mendes – Professor DBB/UFV

Edson Andrade – doutorando

Higo Sette – doutorando


Renato Senra – doutorando (carangolense)






Doutorando em Bioquímica Aplicada pela Universidade Federal de Viçosa (UFV), membro do Laboratório de Biologia Sintética e Modelagem de Sistemas Biológicos. Mestre em Bioquímica Aplicada e graduado em Bioquímica pela UFV, onde atuou em programas como, Jovens Talentos para Ciência (Bolsista CAPES), Iniciação Científica Voluntária, e Empresa Júnior de Bioquímica (TECNOMOL), além de participar com membro bolsista do Programa de Educação Tutorial (PET) do curso de bioquímica da UFV, que visa desenvolver atividades que integrem ensino, pesquisa e extensão.



Possui experiência em atividades relacionadas a Análises Proteômicas e o Estudo Funcional de Proteínas e Peptídeos, associadas a técnica de Espectrometria de Massas e Ferramentas de Bioinformática adquirida como estagiário no Laboratório de Proteômica e Bioquímica de Proteínas – UFV.


Ramila Rodrigues – pós-doutoranda

Thaís Fialho Martins – pós-doutoranda

Léa Medeiros – Divulgação Institucional


FONTE: UFV / Carangola Notícias


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »